terça-feira, julho 17, 2007

Vida Cultural - As Bibliotecas

Possui Serpa duas bibliotecas “A Biblioteca Municipal ou Biblioteca Correia da Serra” e a “Biblioteca Caloust Glubenkian” . A Biblioteca Correia da Serra foi criada no ano de 1904, mais precisamente a 6 de junho de 1904, por iniciativa de alguns Serpenses que assim quizeram prestar a sua homenagem a um dos maiores vultos do Portugal do sec. XVIII, um ilustrissimo filho de Serpa. Em 9 de Janeiro de 1931, encontrando-se a mesma em estado caótico foi convidado para a arrumar o poeta e jornalista João Gonçalves Bentes. Em 1950 porém, feito o inventário com base em livro de registo antigo verificou-se a falta de grande quantidade de livros pelo que foram publicados editais convidando os utentes à sua devolução. Nos anos 70 foi tarefa de João Cabral, a reorganização da Biblioteca no intuito de a colocar ao serviço da população, como era intenção dos seus fundadores o que veio a acontecer. A Biblioteca funcionou durante algum tempo no edificio da Câmara, passando depois para a Rua Dr. Luís de Almeida e Albuquerque, ocupando um edificio que foi em tempos a morada oficial do Juiz e onde também foi instalada a Biblioteca Calouste Gulbenkian. O Património bibliográfico ali existente é de cerca de 2000 volumes.

José Francisco Correia da Serra (Abade Correia da Serra)

Em 1966 foi inaugurada a Biblioteca Gulbenkian, numa pequena sala nas trazeiras do edificio da Câmara Municipal, mas já antes a Fundação com o mesmo nome fazia circular por várias terras, incluindo Serpa uma carrinha carregada de livros a que se dava o nome de Biblioteca intenerante, onde aqueles de nós que tinham o vício da leitura, saciavam a sua sede, uma vez que estava completamente fora de questão a compra de livros, tidos já nesse tempo, como produtos de luxo a que só alguns podiam aceder. Orgulho-me de pertencer ao conjunto dos primeiros leitores que de quinze em quinze dias, traziam para casa 3 a 5 livros. Conservo ainda o cartão de leitor. É com bastante alegria que constato a construção de um edificio condigno para a instalação do acervo da Biblioteca Municipal. Abaixo alguns dos livros editados pela Câmara Municipal de Serpa., e o meu cartão de leitor.

6 comentários:

© CAMERAMAN METALICO disse...

Chamas-te Susete da Guadalupe? Que bonito nome...
Saudações - CM

Anónimo disse...

Intenerante? Não havia dicionários nessa biblioteca?

ANTONIO MELÃO disse...

Não ligues Suzete este não sabe alentejano...
CM

Susete Evaristo disse...

Caro Anónimo.
Quem sabe tudo são todos e eu não me considera uma superdotada em questão de português. Aceito sempre as corecções que fazem aos textos que público sem qualquer problema. Se calhar e respondendo à sua pergunta havia dicionários com certeza porém, às vezes gosto como diz o António Melão de empregar os sons do Alentejo aliás coisa que poderá constatar se ler todos os textos e até algumas respostas a comentários. Chama-se a isso brincadeiras fonéticas. Agora o caro Anónimo possa ser a primeira e única pessoa que nunca deu um erro, nisso não acredito. Mais e agora a sério, acho que a informação que aqui deixei é mil vezes mais importante que um simples erro ortográfico.
Tenha uma muito boa tarde

Susete Evaristo disse...

Olá António
De facto a riqueza do nosso linguajar é único.
Olha seu tenho práqui emborcado umas frazis ou desbrucinado a letra? Que pena nã ter déxado o linki dele queu ia-me lá assomar pra ver se nã lhacho uns erritos tamei.
Atão é quera um deus nos acuda
Um abraço amigo

ANTONIO MELÃO disse...

Esta genti pensan que sabem tudo... san uns tristes...
AM